segunda-feira, 25 de abril de 2011

Os medos de Antônio

O Antônio, desde pequenininho, sempre teve mais medos que a Isabela.
Quando bebê, tinha pavor de tomar banho. Era só tirar toda a roupinha que ele se tremia e abria o bocão. Até que a minha mãe entrou em ação e me ensinou a deixar um paninho em cima dele enquanto dava banho. Deu certo e o medo se foi.

Antônio tem medo do mar. Pra chegar na beirinha é um sacrifício, só com um dia inteiro na praia pra ele perder o medo. Até entra na água (depois de muita conversa), mas fica bem grudadinho parecendo um macaquinho grudado na mãe (saca?).

Antônio tem medo de termômetro. Faz um fiasco toda vez que o médico vai medir a temperatura. Ele se desespera mais do que quando toma injeção. Juro. Pra ele é o fim do mundo.

Neste final de semana descobri que ele também tem medo de balão. Aqueles balões a gás, que todo ano colorem o céu de nossa cidade. Um espetáculo lindo, por sinal. Ele vibra, adora ver os balões passando por cima de casa. Mas ontem fomos ao parque apreciar a prova de encerramento do evento e ao nos aproximarmos daquele monte de balões inflando, ele se desesperou. Gritava: Não mãe, vai pra lá, pra lá!!! Com muita conversa o convenci a ficar meio perto e ver os balões levantando voo. Foi ótimo! E creio que o medo se foi. Acho que ele se assustou com o tamanho e o barulho que faz o maçarico.

Antônio tem medo de aspirador de pó.

Antônio tem medo de secador de cabelos.

Agora, Antônio não tem medo de bichos. Juro. Não teme nem uma baratinha sequer! Isso é bom ou é ruim? É bom porque é um medo a menos, mas temo por ele querer pegar algum bicho peçonhento, sei lá.

Bom, agora chega de medos e vamos às caixas da mudança (sim, estamos de mudança! Em breve mais detalhes!)!

Beijos****

4 comentários:

Ivana - coisademae disse...

Quem entende, né? Cada criança com seu universo. João fica assustado com liquidificador, aspirador de pó e com tudo o que faz barulho em geral. Eu morro de pena. Sempre aviso quando vou ligar esses aparelhos e já até o peguei no colo e o levei pra perto para ele ter a certeza de que não fazem mal algum.

Mas o caminho é esse, né Camila, muita conversa e carinho!

Bjos!

Juliana Doerner disse...

Por um lado é bom ele ter perdido o medo, mas por outro é perigoso, mas com atenção quem sabe consegue evitar o bichinho na boca, rs...

Que noticia boa1

Beijos

Ana Carolina disse...

É tão bom, né? Ver essa diferença entre eles, descobrir esse universo de cada um...bom demais.
Seus filhos são lindos.
Parabéns!!!

Jo & Aninhas disse...

Então seu filho se parece muito com minha Leticia, que não pode ver ninguem de branco que abre aquele berreiro, e não tem conversa que dê jeito.